Por 6 Meses de Licença | Margarida de Almeida e Brito



Margarida de Almeida e Brito é jurista, auditora interna numa entidade do Ministério da Saúde e é um dos membros da Comissão Representativa da nossa Iniciativa.

Como Mãe, fala-nos na sua experiência e no impacto que a licença atual teve no seu bebé e de como a licença de 6 meses faz toda a diferença neste início de vida.

Se concordarem que a melhor forma de permitir que sejam todas as Famílias a escolher se querem seguir, ou não, as recomendações da OMS, de amamentar em exclusivo os seus bebés até aos 6 meses, é com uma licença parental inicial, habitualmente gozada pela Mãe, de 180 dias, podem assinar a nossa Iniciativa de uma destas 3 opções.



Em defesa do alargamento da licença parental até aos 6 meses com pagamento a 100% para as famílias que, querendo, optem por esta via, partilho como aconteceu connosco…

por Margarida de Almeida e Brito



Tinha 4 meses, o meu rebento e as últimas semanas de ponderação acerca da introdução, ainda que precoce, da alimentação complementar era um misto de necessidade, derivado da hipótese de regresso ao trabalho e de ansiedade por sentir que o bebé não estava nessa…

Amamentado, em exclusivo, até àquele aniversário, não despertava curiosidade por outro alimento para além da amamentação e contacto materno.

Bom, ainda que avessa à ideia, lá experimentei dar a provar ao rebento, uma deliciosa iguaria de alimentação complementar que eu própria preparei.

Experimentei 1 vez, 2 vezes, 3… e o episódio repetia-se e agudizava-se! Entre choro e gritos compulsivos que duravam 15/20 minutos, percebi que a introdução da alimentação complementar era recebida como uma espécie de “agressão” para o meu bebé.

Tenho a certeza que preparava a refeição com imenso empenho, amor, respeitando a confeção e alimentos indicados pelos profissionais de saúde e oferecia num ambiente descontraído, mas claramente, o meu bebé não estava preparado!

Foi então que falei com a pediatra e a própria confirmou, após o meu relato, a ausência de preparação do bebé para a introdução da alimentação complementar aos 4 meses de idade e optei por continuar a amamentar em exclusivo até aos 6 meses.

Claramente, quer fisiológica, quer emocionalmente, o meu bebé precisava de tempo para outra alimentação que não a amamentação.

Acresce que a natureza e os benefícios do leite materno são hoje cientificamente evidentes e conhecidos!

Ponderamos em família, e optamos pela amamentação em exclusivo até aos 6 meses e o adiar do meu regresso ao trabalho, ainda que tal comportasse maior esforço financeiro. Apesar desse esforço financeiro, ao contrário de algumas famílias, tivemos a possibilidade de escolher.

P. S.: Teria sido uma fase mais tranquila, natural e menos custosa se tivesse havido a possibilidade de optar por uma licença parental inicial paga a 100% até aos 6 meses do meu rebento. Talvez no futuro, para tantas outras famílias, essa possibilidade seja uma realidade!

Não julguem! Se puderem, contribuam ativamente para melhores condições para as famílias portuguesas.

Obrigada.



Comentários

Posts mais lidos