Por 6 Meses de Licença | Jacqueline Montaigne



A Jacqueline é coordenadora nacional da IBFAN (sigla inglesa para Rede Internacional de Grupos Pró-Alimentação Infantil), especialista em amamentação, representante da World Breastfeeding Trends Initiative em Portugal, especialista pela implementação nacional do Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e autora do Relatório Alternativo sobre Portugal para a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança.


Conheci-a, na altura que iniciei a petição, que agora deu origem a esta Iniciativa Legislativa do Cidadão. O estudo, que foi o clique que faltava para me lançar nesta aventura, foi dinamizado por ela (o relatório da Iniciativa Mundial sobre Tendências de Aleitamento Materno) e, assim que soube da petição, ofereceu-se logo para ajudar no que fosse preciso. É uma das pessoas que faz parte da Comissão Representativa da Iniciativa.

Se concordarem connosco, podem escolher uma das 3 opções para assinar esta iniciativa (como podem ver aqui).


Aqui fica a opinião dela sobre a importância de haver uma licença com a mesma duração da recomendação da OMS, relativamente ao aleitamento materno exclusivo:


"A amamentação é a maneira ideal para todos os bebés serem alimentados e a amamentação exclusiva nos primeiros seis meses traz benefícios inestimáveis para os bebés, as suas mães, a economia e o planeta e atende às recomendações internacionais estabelecidas pelos maiores especialistas e entidades de saúde do mundo. A amamentação não é importante apenas para os bebés, mas também para o planeta como uma opção sustentável que não deixa resíduos ou emissões de CO2, enquanto que o leite de fórmula é caro, insustentável e deixa uma pegada ecológica grande e pesada. Os gases de efeito estufa causados pela produção de fórmulas contribuem para as mudanças climáticas e para cada 1 kg de produção e processamento de leite em pó, são emitidos 21,8 kg CO2-eq.de GEE (p13 Formula For Disaster, IBFAN.org).

Portugal é exemplar nos cuidados de saúde pediátricos, mas precisa de mudar para poder apoiar as famílias, mães e os seus bebés, a alcançar uma saúde ideal. Para isso, devem ser criadas políticas, diretrizes e uma estrutura legal, de acordo com as recomendações e políticas internacionais, que apoiem a amamentação exclusiva nos primeiros 6 meses da vida de um bebé. Uma das melhores maneiras de fazer isso é prolongar a licença de maternidade para seis meses, com salário integral, para garantir que seja uma opção acessível para as famílias. Mesmo que um bebé não seja amamentado, por qualquer motivo, ele beneficiará sempre da presença de seus pais durante os primeiros 6 meses, como cuidadores principais.

A amamentação é protegida sob a Convenção dos Direitos da Criança, a Convenção dos Direitos da Mulher e a Convenção dos Direitos da Mulher no Local de Trabalho. (www.un.org)

Como representante da principal autoridade internacional e ONG pioneira neste campo há mais de 39 anos, a IBFAN (Rede Internacional de Ação para Alimentação do Bebé) dá os parabéns a Portugal pelas medidas que adotou nos últimos anos para apoiar mães e seus bebés neste âmbito, mas mais deve e pode ser feito para que possamos dar o exemplo para o resto do cumprimento dos padrões globais como um país pioneiro em cuidados pediátricos, cuidados de maternidade, direitos das crianças, direitos das mulheres no local de trabalho e sustentabilidade."




 Por 6 Meses de Licença | A Comissão
 Alargamento da Licença Parental Inicial - a iniciativa legislativa, grupo no Facebook



link para a página de facebooklink para a página de Instagramlink para a página do Pinterest

Comentários

Posts mais lidos